Teatro

 

Aqui reunidas, as peças escritas por Betty Milan. Uma delas foi encenada por Nathalia Timberg em todo o Brasil e duas outras foram apresentadas em leituras dramáticas por Zé Celso, do Teatro Oficina, na cidade de São Paulo.
A trajetória da autora, como dramaturga, teve início com o monólogo Paixão, contraponto de textos dos poetas portugueses e brasileiros com textos extraídos do seu ensaio E o que é o amor? Em 2014, Nathalia Timberg inaugurou o teatro do Banco Safra com Paixão, uma peça que já está em cartaz há 20 anos. Depois desta adaptação, seguiram-se as de dois romances: A paixão de Lia e O amante brasileiro. As três peças completam o conjunto do teatro lírico da autora.
Com Brasileira de Paris, primeiro trabalho escrito diretamente para o palco, inaugura-se o seu teatro dramático. Segue-se, nesta via, Adeus Doutor, peça apresentada em leitura no Théâtre du Rond-Point, em Paris, e no SESC Santana, e Dora não pode morrer, apresentada no Teatro do Itaú Cultural.
Betty Milan escreveu também uma peça no gênero teatro didático, dramatizando textos do seu Consultório Sentimental a fim de difundir a educação, que se impõe depois da revolução sexual. Trata-se de A vida é um teatro, que se mostrou particularmente comunicativa com as plateias jovens por fazer de forma ágil, bem-humorada e profunda a análise dos sentimentos vigentes na sociedade contemporânea.